Licenciatura em Artes

BD/Ilustração

Objectivos do curso

Os diplomados com esta Licenciatura estarão habilitados para a criação, quer por iniciativa própria quer por solicitação profissional de trabalhos na área da Banda Desenhada e da Ilustração nas suas várias vertentes (comercial, publicidade, científica, artística, centrada em públicos amplos ou específicos, criando conteúdos originais ou adaptando material prévio), e ainda a serem capazes de relacionar a sua produção efectiva com o mercado existente. Tratando-se de áreas que ainda conquistam pouco espaço nos circuitos académicos, esta licenciatura surge como contributo fulcral à revitalização e valorização das áreas em questão.

 


Organização do curso

Neste ciclo de estudos privilegia-se as áreas científicas da BD/Ilustração e do Desenho no sentido de dotar o diplomado de competências de criação artística. Paralelamente, as áreas das Técnicas de Impressão e do Design Gráfico asseguram a capacidade de controlar o processo de edição e reprodução do seu trabalho até ao contacto com o público. As áreas da História da Arte e da Literatura permitem ao diplomado consolidar um discurso crítico, auto-crítico, apurado e fundamentado. Na perspectiva de uma futura integração profissional faz parte da estrutura do curso a área da Gestão Profissional que assegura ao diplomado competências organizativas do seu percurso, tais como: a realização do seu curriculum, do seu portafólio e modos de abordar empresas e instituições. A formação é completada com um leque alargado de opções, permitindo ao estudante construir o currículo de acordo com as suas áreas de interesse.


Metodologias de ensino

A predominância das aulas de natureza teórico-prática assegura a vertente profissionalizante própria do Ensino Politécnico.

Um forte orientação tutória permite o acompanhamento dos projectos pessoais dos estudantes sobretudo no último ano do curso.

O contacto com experiências profissionais e artísticas de autores contemporâneos activos nas áreas da BD/Ilustração será proporcionado através de seminários, permitindo-se desta forma que os estudantes possam confrontar a sua produção individual com a produção, quer teórica, quer prática, de especialistas.


Oportunidades de carreira

Profissional como ilustrador e autor de BD em revistas, jornais e outras publicações periódicas, livros, cartazes e outras vertentes da ilustração e da BD.

O diplomado será ainda capaz de assumir actividades em áreas de grande proximidade com o seu curso, como as de artista plástico, designer gráfico ou monitor de serviços educativos.


Estrutura curricular

ÁREA CIENTÍFICA SIGLA CRÉDITOS
BD/Ilustração BD/I 18,0
Desenho D 33,0
História da Arte HA 3,0
Literatura L 6,0
ÁREA CIENTÍFICA SIGLA CRÉDITOS
BD/Ilustração BD/I 15,0
Desenho D 9,0
Técnicas de Impressão TI 12,0
História da Arte HA 6,0
Literatura L 6,0
Tecnologias Digitais TD 9,0
Áreas Científicas Optativas ---------- 3,0
ÁREA CIENTÍFICA SIGLA CRÉDITOS
BD/Ilustração BD/I 12,0
Técnicas de Impressão TI 9,0
História da Arte HA 9,0
Design Gráfico DG 12,0
Gestão Profissional GP 3,0
Áreas Científicas Optativas ---------- 15,0

Plano de Estudos

Ciclo de estudos: 1º ciclo
Duração: 6 semestres
Grau: Licenciado
Total de ETCS: 180,0 créditos
Subsistema de ensino superior: Politécnico
Código do Curso: 9319
Vagas: 20
Área científica predominante do curso: BD/Ilustração e Desenho

Registo: R/B-AD - 687/2006 no Despacho n-º 14434/2006 publicado na 2ª série do DR de 7 de Julho. Estrutura Curricular e Plano de Estudos - Despacho n.º 15385/2007 publicado na 2ª série do DR de 13 de Julho. Alterado em 25 de Junho de 2014 com o registo n.º R/A-Ef 76/2011/AL01, publicado pelo Despacho n.º 2312/2015 - Diário da República, 2.ª série, n.º 45, de 5 de Março de 2015.

Através de um conjunto sequenciado de propostas de trabalho, os estudantes irão explorar diferentes estratégias e processos de conceção de BD, explorando diversos materiais, técnicas e suportes gráficos. Pretende-se que a unidade curricular se constitua como um espaço de discussão e de reflexão sobre o campo da Banda Desenhada, tendo em conta as suas articulações e contaminações com outros campos da produção de imagens e narrativas: pintura, cinema, teatro e literatura.

Através de um conjunto sequenciado de propostas de trabalho, os discentes irão explorar os diferentes campos da ilustração e as suas especificidades. Pretende-se que a unidade curricular se constitua como um espaço de discussão e reflexão sobre a ilustração contemporânea e/ou ilustração na contemporaneidade, a partir de uma contextualização histórica.

Esta unidade curricular pretende dotar o aluno de competências para compreender os principais modos do desenho e da observação, bem como a anatomia básica do corpo humano. Através do estudo dos sistemas esquelético e muscular, pretende-se que entendam a estrutura como definidora da forma e sejam capazes de interpretar, analisar e compreender o corpo humano nos seus diversos movimentos.

Esta unidade curricular tem como objetivo central fornecer aos estudantes uma perspetiva alargada dos instrumentos conceptuais e dos procedimentos operativos de análise e de registo gráfico das características visuais de formas, espaços e volumes, a partir de uma prática metódica da observação. Pretende-se consciencializar o estudante de que observar corresponde a uma inquirição ativa visando a compreensão de uma rede complexa de relações de dimensão, de direção e de localização, e, em particular, das qualidades dinâmicas de uma qualquer entidade visível. Pretende-se igualmente evidenciar a importância da interação entre escala e instrumentos do registo, tempos de observação e atitudes gestuais, na determinação das características da representação, desde a síntese alusiva até à minuciosa diferenciação.

Na unidade curricular voltada para o ato de leitura do mundo e da palavra, cumpre observar as partes de que uma narrativa verbal é feita, percebendo, assim, em que grau um autor trabalhou esta ou aquela parte e identificando, também, componentes do seu contexto de produção (a época, a influência de predecessores e de contemporâneos do autor, a inovação etc.). Nas aulas da U.C., (re)construímos narrativas de diversas procedências, com a consciência de que é muito importante dialogar com o texto original, conhecer os interesses do público recetor da obra de arte e buscar a melhor adaptação da linguagem, para bem salientar o que o leitor tem a compreender, em termos de espaço, de tempo e de personagens. Atentamos, ainda, para o papel dos prémios, das listas de livros mais vendidos, da divulgação feita pela mídia, na valorização de determinadas obras literárias, de maneira a colocar em debate nas aulas os variados tipos de pressão (não necessariamente de natureza literária, artística), exercidos até a estabilização de uma narrativa dentro da cultura letrada de um grupo.

Pretende-se, como primeiro objetivo desta unidade curricular, providenciar uma perspetiva histórica de conjunto da Banda Desenhada e da ilustração, num percurso que vai desde o advento da criação da imagem até à mais recente criação artística, passando pelo surgimento da escrita, o desenvolvimento dos suportes, as alterações das condições de produção, dando destaque ao desenvolvimento específico da BD. Um segundo objetivo é o entendimento da ilustração como uma maneira especial de relacionar imagens com um texto, e da Banda Desenhada como uma forma moderna e mais implicada dessa relação texto-imagem.

Nesta unidade curricular desenvolvemos o conhecimento das características técnicas e expressivas de um material líquido, a tinta-da-china, com a exploração de diversos tipos de pincéis, canetas e aparos sobre papéis com propriedades, formatos e dimensões distintas. O conhecimento das técnicas e das potencialidades expressivas de materiais secos como a grafite, carvão, lápis de cor e os pastéis secos e de óleo permite uma utilização mais aprofundada de lápis, lapiseiras e barras e o contacto com um novo conjunto de suportes. Em todos os materiais abordamos os modos mais adequados de proceder à sua fixação e conservação, e, à exceção dos lápis e pastéis, exercitamos a comparação e ordenação de valores tonais acromáticos na construção de escalas graduadas e contínuas.

Nesta unidade curricular desenvolvemos o estudo da cor em estreita relação com exercícios específicos de representação e de interpretação de imagens através do conhecimento das características técnicas e expressivas do guache, com a exploração de diversos tipos de pincéis sobre papéis com propriedades, formatos e dimensões distintas. O conhecimento das técnicas e das potencialidades expressivas da aguarela, do acrílico e do óleo permite uma utilização diferenciada dos pincéis e de outros materiais auxiliares bem como o contacto com um novo conjunto de suportes: papéis, telas ou madeiras e respetivos procedimentos de preparação. Em todos os materiais abordamos as características físicas e químicas mais relevantes, o respeito pelas normas de segurança e os mais adequados modos de os fixar e conservar.

Os conteúdos programáticos estão organizados de modo a confrontar os estudantes com um conjunto de problemáticas contemporâneas da criação em BD e Ilustração. Serão valorizados quatro quadros temáticos principais: a autobiografia na BD; as relações entre os processos da BD e da Ilustração e o jornalismo de reportagem; as correspondências entre formas literárias e a ilustração; as analogias entre os dispositivos do Cinema e as gramáticas da BD. Será também desenvolvido um projeto de autoedição que confronte os estudantes com a necessidade de gerir um processo que não se reduz ao trabalho criativo no ateliê e que permita conhecer alguns dos problemas e potencialidades do seu mercado editorial e profissional.

Dando continuidade aos estudos de Desenho de Observação, esta unidade curricular visa problematizar a noção de representação visual a partir da experiência do visível e da sua transfiguração, através dos conceitos, meios e procedimentos específicos do Desenho. Considerando o amplo espectro de possibilidades de representação entre as noções limite de mimesis e de abstração, pretende-se que o estudante, atendendo à finalidade da obra, reconheça o desenho como um processo de pesquisa visando determinar o que incluir e o que rejeitar, selecionar os instrumentos e media adequados e precisar a conformação expressiva e compositiva das soluções gráficas ensaiadas.

Esta unidade curricular visa proporcionar aos estudantes um conhecimento abrangente e sistematizado dos principais problemas das técnicas de impressão. A partir de uma abordagem teórica das principais etapas da sua evolução histórica, dos conceitos mais relevantes para a edição de obra impressa e das características e funções dos equipamentos, utensílios e materiais, pretende-se que os estudantes dominem o seu vocabulário específico e adquiram conhecimentos sólidos sobre este campo de estudo. O desenvolvimento de uma intensa atividade oficinal faculta ao estudante um conhecimento prático das várias técnicas de criação de matrizes de gravura e serigrafia, a especificidade da sua linguagem plástica e estética e a aquisição das competências metodológicas e procedimentais para a sua elaboração e impressão, capacitando-o para a aplicação destas aprendizagens noutras unidades curriculares. Os conteúdos programáticos estão organizados de modo a confrontar os estudantes com um conjunto de problemáticas contemporâneas da criação em BD e Ilustração. Serão valorizados quatro quadros temáticos principais: a autobiografia na BD; as relações entre os processos da BD e da Ilustração e o jornalismo de reportagem; as correspondências entre formas literárias e a ilustração; as analogias entre os dispositivos do Cinema e as gramáticas da BD. Será também desenvolvido um projeto de autoedição que confronte os estudantes com a necessidade de gerir um processo que não se reduz ao trabalho criativo no ateliê e que permita conhecer alguns dos problemas e potencialidades do seu mercado editorial e profissional.

Os conteúdos abordados em Desenvolvimento de Personagens permitem isolar dimensões específicas do trabalho de criação de personagens em BD e Ilustração, relacionando-as com o trabalho de autores relevantes na área e permitindo ao estudante a experimentação de processos gráficos autónomos. Integrada na área científica do Desenho, esta unidade curricular procura trabalhar no sentido do estudante "desenvolver capacidades de observação e de análise, no domínio da representação e da síntese gráfica", articulando conteúdos referentes à teoria e prática do desenho e da representação gráfica com conteúdos relativos à Narratologia e à análise literária.

Os conteúdos programáticos desta unidade curricular permitem dotar os alunos de uma visão do que foi a Banda Desenhada e a Ilustração desde os primórdios medievais aos anos 60 do século XX. Para o cumprimento dos propósitos gerais e específicos declarados na formulação dos objetivos, apresenta-se um panorama pontuado por momentos chave com exemplos de produção incontornáveis pelo seu alcance plástico e estético ou pelo contexto histórico e editorial que representam. O período do modernismo, com as questões que levanta no campo da alteração dos processos e modelos de edição, assim como do papel da autoria nesta área, será objeto de um desenvolvimento mais aprofundado à luz das viragens que no campo artístico, cultural, económico e social se verificaram na primeira metade do século XX.

Os conteúdos estão organizados no sentido de traçar um panorama histórico da animação, desde as suas origens até à atualidade, identificando os principais polos da produção cinematográfica de animação e os respetivos autores. O visionamento de filmes permite distinguir com clareza os contributos mais relevantes de autores e de centros de produção, bem como identificar os diferentes processos técnicos e as suas contrapartidas conceptuais e expressivas na comunicação cinematográfica.

Os conteúdos desta unidade curricular têm como finalidade o reconhecimento das práticas artísticas do século XX, com especial enfoque nas mudanças de paradigma dos anos sessenta e setenta. Este reconhecimento passa pelo cruzamento dos momentos matrizes, fundadores e de rutura desta contemporaneidade artística ocidental, visitando os diferentes movimentos e autorias incontornáveis das práticas artísticas, dos seus autores, dos seus suportes teóricos, técnicos, sociais e históricos. É também dada relevância ao desenvolvimento de competências de pesquisa, análise e crítica que sustentem a compreensão histórica da arte contemporânea.

O programa desta unidade curricular pretende, pelo estudo de um longo ciclo artístico – da Alta Idade Média ao século XV –, proporcionar instrumentos concetuais e metodológicos que permitam o desenvolvimento de competências de reflexão e de análise das realizações artísticas medievais. Dentro da periodização proposta procurar-se-á reconhecer a especificidade dos mais relevantes capítulos da arte medieval, geral e em Portugal, privilegiando de igual modo a compreensão das conjunturas artísticas de transição. Salienta-se o particular enfoque dado ao entendimento das estruturas, funções e usos da imagem na Idade Média Ocidental.

O programa desta unidade curricular pretende introduzir a reflexão sobre os principais momentos constituintes da História da História da Arte, valorizando-se a análise das correntes historiográficas dos séculos XIX e XX. Importa, nesta aproximação, relacionar as teorias, os métodos e o âmbito científico da História da Arte com os processos de conhecimento e conceptualização dos diferentes campos das ciências sociais e humanas. Para o cumprimento dos propósitos gerais e específicos desta unidade curricular, importa destacar o desenvolvimento de um corpo conceptual/terminológico e de metodologias de análise específicas aplicáveis ao estudo das diferentes manifestações artísticas, numa perspetiva diacrónica, e a promoção de uma abordagem crítica permanente aos fenómenos artísticos em estudo através do desenvolvimento de noções teóricas de aproximação aos mesmos.

O exercício continuado da escrita é o maior objetivo da unidade curricular. Procurar-se-á aprofundar as competências da escrita e da leitura, fornecer instrumentos de análise que permitam compreender as técnicas e modalidades narrativas, desenvolver a capacidade criativa e produzir, individual e coletivamente, pequenos textos e argumentos de natureza ficcional, em diversos registos de linguagem.

Esta unidade curricular pretende introduzir os princípios básicos subjacentes à fotografia digital e tradicional e de manipulação de imagem, dos ajustes aos efeitos especiais. Compreenderá a apresentação teórica dos assuntos com exemplos de aplicação. Os tópicos que se apresentam abrangem os principais conhecimentos sobre a fotografia; conhecimento sobre a utilização do equipamento fotográfico bem como as ferramentas usualmente mais aplicadas no tratamento digital de imagem, proporcionando uma formação técnica e artística da qual ainda se perspetiva o trabalho autoral.

Com esta unidade curricular pretende-se dotar os alunos de noções teóricas pertinentes à compreensão das possíveis relações entre arte e tecnologia no contexto da cultura digital e da sua operacionalização e difusão em rede. Desde as noções de interface, interatividade e reatividade, será problematizada a integração tecnológica na arte contemporânea e evidenciadas as suas práticas marcadamente interdisciplinares. Assim, a compreensão dos diversos meios tecnológicos de computação gráfica e multimédia, da sua dimensão virtual e de simulacro e as suas relações com as noções de rede e de ciberespaço, bem como de metamorfose, fluxo e processo, permitirão um entendimento abrangente da dimensão multimediática da cultura digital contemporânea.

Esta unidade curricular visa proporcionar um conhecimento sistematizado, profundo e articulado da representação de formas no âmbito dos sistemas de representação. Através de um enquadramento teórico sobre o desenho geométrico e técnico, pretende-se que os estudantes conheçam e utilizem os materiais e instrumentos, adquiram o vocabulário específico do desenho geométrico e sejam capazes de identificar, construir e representar formas geométricas fundamentais. Pretende ainda dotá-los de um conhecimento profundo sobre a noção de projeção, aplicando-o e reconhecendo a função e vocação dos diferentes tipos de sistemas para que adquiram a capacidade de representar formas no sistema de múltipla projeção e axonométrica, capacitando-os para a aplicação destas aprendizagens noutras unidades curriculares.

Pretende-se com esta unidade curricular mobilizar conhecimentos que foram aprendidos ao longo da escolaridade quer oralmente quer por escrito e adquirir vocabulário específico na área das artes em geral. Ao nível da oralidade, pretende-se que o aluno descodifique textos de vários tipos e adeque o discurso à finalidade e à situação de comunicação, exprimindo-se de forma simples e coerente. A nível do texto escrito, deve ser capaz de captar o sentido dos textos e produzir textos de várias tipologias.

A Unidade Curricular Teoria da Cor tem por objetivo fornecer conteúdos que contribuam para uma ampliação de conhecimentos que venham permitir uma maior utilização e compreensão da cor. Utilizando-se como base alguns dos processos de estudo da cor - fisiológicos, psicológicos e físicos ou até mesmo filosóficos -, é possível abordar e demonstrar como se geram as cores, como se misturam, como se influenciam entre si e nos influenciam.

A unidade curricular tem como finalidade desenvolver uma perspetiva abrangente das questões centrais da Sociologia, com destaque para as que podem ser aplicadas aos campos da Cultura e da Arte. Partindo de uma abordagem sociológica eminentemente crítica, procura-se discutir a forma como a reflexão e a investigação na Sociologia podem contribuir para o conhecimento e a compreensão sobre as diferentes dimensões e realidades culturais e sobre os processos de produção, difusão e receção das manifestações artísticas.

A unidade curricular tem por objetivo fornecer aos estudantes conhecimentos, parâmetros de análise e instrumentos críticos para refletir sobre as condições que, mais significativamente, interferiram na génese do pensamento moderno e contemporâneo, tendo em conta os principais temas e questões dos fenómenos culturais do nosso tempo. Por cultura contemporânea entende-se aqui um percurso que toma como ponto de partida a modernidade e se inscreve na atual reflexão e debate crítico da mesma, recorrendo para isso à transversalidade e interdisciplinaridade dos cultural studies e a uma pluralidade de aproximações, métodos, perspetivas e enquadramentos teóricos capazes de problematizar as dinâmicas políticas, sociais, económicas e culturais da contemporaneidade. Pretendendo-se flexível no seu desenvolvimento, o programa desenvolve-se por temas abrangentes e articulados, não rigorosamente sequenciais e com alinhamentos ajustáveis à dinâmica das aulas e outras situações contextuais, colocando sempre o enfoque na realidade portuguesa contemporânea. Os conteúdos estão organizados no sentido de traçar um panorama histórico da animação, desde as suas origens até à atualidade, identificando os principais polos da produção cinematográfica de animação e os respetivos autores. O visionamento de filmes permite distinguir com clareza os contributos mais relevantes de autores e de centros de produção, bem como identificar os diferentes processos técnicos e as suas contrapartidas conceptuais e expressivas na comunicação cinematográfica.

Numa fase introdutória em torno de diferentes obras e conceções de arte podemos melhor conhecer as condições de emergência e desenvolvimento do campo interdisciplinar da Estética. Numa segunda fase, o estudo e aprofundamento dos conceitos de belo a partir de Kant e de trágico a partir de Nietzsche, constituem o núcleo reflexivo por onde se desdobram outros conceitos como o atual, banal, individual ou virtual e autores como W. Benjamin, A. Warhol, J. Beuys ou M. Perniola.

Esta unidade curricular apresenta-se como uma oportunidade para refletir melhor sobre as múltiplas articulações entre teorias e práticas artísticas contemporâneas. As teorias da vanguarda segundo P. Burger e os modelos de autor segundo M. Foucault ajudam-nos a reconhecer pontos de rutura e linhas de continuidade nas relações entre produção e receção de objetos artísticos. Uma crítica à crítica de arte, com H. Foster, e a integração da arte e do conhecimento científico, com L. Moura, permitem a operacionalização de alguns dos principais modelos discursivos.

Esta unidade curricular centra-se na conceção e no desenvolvimento de espaços narrativos no contexto da banda desenhada. Deste modo, a unidade curricular promove o desenvolvimento de estratégias narrativas através da representação do espaço cénico e familiariza o aluno com uma variedade de sistemas de representação espaciais.

Os conteúdos programáticos desta unidade curricular cobrem uma grande extensão cronológica da história da antiguidade que inclui a arte das culturas mesopotâmicas, a arte egípcia e a arte das civilizações clássicas. Numa perspetiva de longa duração serão abordadas as continuidades formais, que dominam sobretudo a arte egípcia, e o valor civilizacional mais amplo das definições estéticas greco-romanas. Todas as questões referentes à arquitetura são aprofundadas com o apoio das abundantes notícias que sobre artistas e obras de arte os autores da antiguidade nos legaram.

Os diferentes apartados que se inserem no âmbito da periodização da história da arte moderna ocupar-se-ão do estudo da formação, expansão e derrogação de um novo sistema figurativo, através do Renascimento, Maneirismo, Barroco e Rococó. Sendo a articulação da arte italiana com a cultura europeia um dos problemas mais fecundos da história da arte moderna, será dado um especial enfoque ao confronto das diferentes alternativas visuais dos séculos XV-XVII. Dar-se-á também relevância ao quadro das realizações estéticas geradas pela ação dos mecenas e ao panorama da evolução do estatuto da arte e do artista na época moderna.

Esta unidade curricular centra-se nas relações entre o Desenho e outras disciplinas artísticas, contextualizando historicamente as suas principais conceções como processo criativo e implicações no pensamento e ação dos artistas. Os conteúdos programáticos têm como enfoque principal o reconhecimento da génese do Desenho e dos principais momentos de rutura que contribuíram para o seu desenvolvimento como prática autónoma e interdisciplinar.

O programa desta unidade curricular pretende introduzir a reflexão sobre os principais momentos constituintes da História da História da Arte, valorizando-se a análise das correntes historiográficas dos séculos XIX e XX. Importa, nesta aproximação, relacionar as teorias, os métodos e o âmbito científico da História da Arte com os processos de conhecimento e conceptualização dos diferentes campos das ciências sociais e humanas. Para o cumprimento dos propósitos gerais e específicos desta unidade curricular, importa destacar o desenvolvimento de um corpo conceptual/terminológico e de metodologias de análise específicas aplicáveis ao estudo das diferentes manifestações artísticas, numa perspetiva diacrónica, e a promoção de uma abordagem crítica permanente aos fenómenos artísticos em estudo através do desenvolvimento de noções teóricas de aproximação aos mesmos.

Incidindo sobre categorias teóricas centrais da narrativa visual, semiliterária e audiovisual e sobre a análise e elaboração prática de modelos paradigmáticos de diferentes possibilidades de abordagem das questões relacionadas com o guionismo, os conteúdos programáticos a tratar na unidade curricular permitirão aos estudantes compreender a especificidade dos processos narrativos centrados no confronto entre o visual e o verbal, em diálogo com a narrativa literária, capacitando-os para a produção de guiões de cinema, cinema de animação e banda desenhada.

Esta unidade curricular propõe a exploração das tecnologias digitais de criação de imagens, para uma maior familiarização com o ambiente digital que permita ao aluno rever e aprofundar conhecimentos antecedentes, bem como utilizar ferramentas e softwares apropriados às suas necessidades profissionais. Assim, para evidenciar a abrangência do desenho vetorial enquanto processo criativo com uma expressividade própria, são abordadas as características da imagem digital, as diversas ferramentas e técnicas de tratamento e manipulação da imagem digital. Através da criação de imagens no contexto do desenvolvimento de propostas de trabalho que integram técnicas analógicas e digitais, procura-se demonstrar as possibilidades concetuais e expressivas da sua interseção, constituindo um estímulo ao trabalho autoral e à compreensão do computador como um espaço de trabalho criativo e concetual. A unidade curricular de Composição pretende levar o aluno ao encontro dos problemas concetuais, precetivos, poéticos e plásticos envolvidos no ato de compor, isto é, na organização /estruturação significativa de uma imagem-objeto de arte. Pretende-se que o aluno compreenda os mecanismos psicofisiológicos e os dados contextuais e gramaticais presentes quer na elaboração quer na leitura e interpretação de uma obra de arte, conhecendo o seu modo de funcionamento enquanto todo dotado de uma estrutura dinâmica, implícita ou explícita, procurada ou espontânea. Enriquecido com dados concetuais, históricos e formais, o aluno é instigado a aplicar os seus conhecimentos, seja no domínio das suas próprias realizações, seja na análise de diferentes épocas e autores.

Começamos por uma contextualização do estado atual do campo interdisciplinar da Estética através de uma reflexão sobre "o mundo da arte" segundo A. Danto. Em seguida caracterizamos os principais operadores estéticos e destacamos papel da crítica de arte no desenvolvimento das relações entre conceções teóricas e práticas artísticas. O estudo e aprofundamento dos conceitos de sublime a partir de I. Kant e de kitsch a partir de U. Eco constituem o núcleo reflexivo por onde se desdobram outros conceitos como a natureza, paisagem, máquina ou rizoma e autores como F. Lyotard, J. Koons, B. Newman ou G. Deleuze.

Esta unidade curricular visa proporcionar um conhecimento sistematizado, profundo e articulado dos diferentes sistemas de representação projetiva, com particular incidência no sistema de projeção cónica, visando a representação descritiva de formas planas e tridimensionais e de relações espaciais complexas. Pretende-se que, através do estudo dos vários métodos da perspetiva cónica e sua aplicação prática na resolução de exercícios, os estudantes adquiram competências que os capacitem para a aplicação destas aprendizagens noutras unidades curriculares.

A unidade curricular de Composição pretende levar o aluno ao encontro dos problemas concetuais, precetivos, poéticos e plásticos envolvidos no ato de compor, isto é, na organização /estruturação significativa de uma imagem-objeto de arte. Pretende-se que o aluno compreenda os mecanismos psicofisiológicos e os dados contextuais e gramaticais presentes quer na elaboração quer na leitura e interpretação de uma obra de arte, conhecendo o seu modo de funcionamento enquanto todo dotado de uma estrutura dinâmica, implícita ou explícita, procurada ou espontânea. Enriquecido com dados concetuais, históricos e formais, o aluno é instigado a aplicar os seus conhecimentos, seja no domínio das suas próprias realizações, seja na análise de diferentes épocas e autores.

A unidade curricular visa dar continuidade às questões introduzidas em Cultura Contemporânea I, aprofundando conhecimentos e testando algumas das noções-chave estudadas. Para isso, procurar-se-ão perspetivar as circunstâncias sociais e históricas que conduziram à problematização da noção de modernidade (como, posteriormente, à falência da noção de pós-modernidade) e à emergência de uma modernidade crítica. A reflexão acerca destas questões será particularmente atenta ao modo como a técnica, os media, as práticas artísticas, os enquadramentos institucionais e as novas representações do corpo (individual, social, político) e das identidades de género participam nalgumas das principais mutações que ocorrem na passagem da modernidade para a contemporaneidade.

Começamos por uma contextualização do estado atual do campo interdisciplinar da Estética através de uma reflexão sobre "o mundo da arte" segundo A. Danto. Em seguida caracterizamos os principais operadores estéticos e destacamos papel da crítica de arte no desenvolvimento das relações entre conceções teóricas e práticas artísticas. O estudo e aprofundamento dos conceitos de sublime a partir de I. Kant e de kitsch a partir de U. Eco constituem o núcleo reflexivo por onde se desdobram outros conceitos como a natureza, paisagem, máquina ou rizoma e autores como F. Lyotard, J. Koons, B. Newman ou G. Deleuze.

Nesta unidade curricular começamos pela apresentação das bases sensoriais da perceção através de imagens e textos, e por propor exercícios onde se articulam conceitos de perceção, realidade e representação para a composição de imagens. Em seguida relacionamos perceção, imaginação e criatividade para um melhor conhecimento das teorias gestaltistas de R. Arnheim, fenomenológicas de M. Ponty e sistémicas de H. Gardner. Por último refletimos sobre a perceção de espaços virtuais e a crise das imagens a partir de P. Levy.

Uma vez que a unidade curricular visa aprofundar conhecimentos acerca das teorias da imagem, uma panorâmica através das principais teorias que foram produzidas, bem como a abordagem de questões ligadas à perceção, aos dispositivos, cruzando abordagens históricas, semióticas e estéticas, permitirá consolidar o conhecimento dos alunos nesse campo.

Esta unidade curricular visa aprofundar conhecimentos acerca das teorias do cinema. Nessa medida, uma panorâmica através das principais proposições teóricas que, nesse campo, foram sendo produzidas, permitirá uma visão abrangente das questões em torno das quais se foi polarizando a produção cinematográfica, desde a sua origem até à contemporaneidade.

O estudo das principais teorias da comunicação deverá permitir aos estudantes uma compreensão contextual, crítica e fundamentada dos media no âmbito das sociedades da informação contemporâneas. Por outro lado, questões como o estudo das audiências e a influência determinante da técnica no quadro dos media deverão capacitar os estudantes para uma melhor compreensão do papel da produção mediática na criação do espaço público contemporâneo.

Esta unidade curricular visa fornecer ao aluno capacidades de desenvolvimento criativo, planeamento e discussão crítica sobre todo o processo de realização de projetos de banda desenhada e de ilustração - da conceção à concretização – e promove a sua subsequente comunicação com o exterior, guiando-o no uso de diversas estratégias e plataformas de autopromoção.

A unidade curricular procurará alertar para a responsabilidade social dos designers gráficos na promoção de uma cultura visual estimulante, que torne as ideias e as informações acessíveis e memoráveis. Os estudantes aprendem, através das tecnologias atualmente disponíveis, a desenvolver metodologias para a correta resolução técnica, estética e funcional de projetos de Design. Potenciando aptidões manuais e intelectuais e estabelecendo a sua relação com os materiais, explora-se as potencialidades da tipografia e do design editorial, nomeadamente na vertente da sua articulação com outros elementos gráficos, da organização do campo visual e da eficácia comunicacional.

Esta unidade curricular tem como objetivo central a introdução aos princípios basilares do movimento animado que visam a criação de sequências animadas com um nível consistente de diferenciação, integrando elementos de expressão de emoções fundamentais e explorando valores gráficos e plásticos. Pretende-se igualmente familiarizar o estudante com os fundamentos da criação de guiões para objetos fílmicos de animação e com as várias etapas da planificação e execução de um projeto de animação.

Esta unidade curricular irá sensibilizar os alunos para as questões e problemáticas gerais do design, nomeadamente as respeitantes à criação de uma cultura visual e ao papel e responsabilidade dos designers na criação dessa cultura. Pretende-se que os estudantes identifiquem a função e as práticas do design e reflitam sobre as mesmas; conheçam, contextualizem e utilizem adequadamente a linguagem tipográfica; concebam e elaborem sistemas de identidade visual; organizem e materializem informação complexa com veículos visuais; compreendam e sejam capazes de intervir criticamente nas questões gerais da comunicação visual, independentemente do seu suporte, impresso ou multimédia. Sendo uma unidade curricular orientada para a experimentação prática, esta reflexão será potenciada pelos exercícios desenvolvidos, pela sua análise, autoavaliação e discussão interpares.

Através de um enquadramento teórico sobre os assuntos e problemas deste campo de estudo, pretende-se que os estudantes dominem o seu vocabulário específico e adquiram conhecimentos profundos sobre os principais conceitos da obra impressa em serigrafia. Pretende ainda dotá-los de competências para conhecer e compreender as várias técnicas de produção de matrizes serigráficas e consequente linguagem plástica e estética específica, promovendo o aprender/fazendo e adquiram as competências sobre os procedimentos e os métodos para a elaboração de matrizes serigráficas e sua impressão.

Esta unidade curricular procura dotar o aluno de uma perspetiva concreta e fundamentada da realidade contemporânea da Banda Desenhada e da Ilustração em Portugal, permitindo-lhe criar um discurso crítico em torno de ambas as áreas a estudar, tendo em conta as suas relações internas, em particular com a História da Imagem e com a História da Cultura em geral.

Esta unidade curricular vai permitir ao estudante conhecer o meio profissional artística e editorial, os mais variados agentes do sistema artístico e dotá-lo de conhecimentos e ferramentas que permitam realizar a apresentação e a difusão do seu trabalho artístico. O aluno conhecerá alguns dos aspetos éticos, deontológicos e jurídico-legais respeitantes à atividade artística e editorial.

Os conteúdos estão organizados no sentido de traçar um panorama histórico da animação, desde as suas origens até à atualidade, identificando os principais polos da produção cinematográfica de animação e os respetivos autores. O visionamento de filmes permite distinguir com clareza os contributos mais relevantes de autores e de centros de produção, bem como identificar os diferentes processos técnicos e as suas contrapartidas conceptuais e expressivas na comunicação cinematográfica.

Os conteúdos desta unidade curricular têm como finalidade o reconhecimento das práticas artísticas do século XX, com especial enfoque nas mudanças de paradigma dos anos sessenta e setenta. Este reconhecimento passa pelo cruzamento dos momentos matrizes, fundadores e de rutura desta contemporaneidade artística ocidental, visitando os diferentes movimentos e autorias incontornáveis das práticas artísticas, dos seus autores, dos seus suportes teóricos, técnicos, sociais e históricos. É também dada relevância ao desenvolvimento de competências de pesquisa, análise e crítica que sustentem a compreensão histórica da arte contemporânea.

O programa desta unidade curricular pretende, pelo estudo de um longo ciclo artístico – da Alta Idade Média ao século XV –, proporcionar instrumentos concetuais e metodológicos que permitam o desenvolvimento de competências de reflexão e de análise das realizações artísticas medievais. Dentro da periodização proposta procurar-se-á reconhecer a especificidade dos mais relevantes capítulos da arte medieval, geral e em Portugal, privilegiando de igual modo a compreensão das conjunturas artísticas de transição. Salienta-se o particular enfoque dado ao entendimento das estruturas, funções e usos da imagem na Idade Média Ocidental.

O programa desta unidade curricular pretende introduzir a reflexão sobre os principais momentos constituintes da História da História da Arte, valorizando-se a análise das correntes historiográficas dos séculos XIX e XX. Importa, nesta aproximação, relacionar as teorias, os métodos e o âmbito científico da História da Arte com os processos de conhecimento e conceptualização dos diferentes campos das ciências sociais e humanas. Para o cumprimento dos propósitos gerais e específicos desta unidade curricular, importa destacar o desenvolvimento de um corpo conceptual/terminológico e de metodologias de análise específicas aplicáveis ao estudo das diferentes manifestações artísticas, numa perspetiva diacrónica, e a promoção de uma abordagem crítica permanente aos fenómenos artísticos em estudo através do desenvolvimento de noções teóricas de aproximação aos mesmos.

Esta unidade curricular visa proporcionar um conhecimento sistematizado, profundo e articulado da representação de formas no âmbito dos sistemas de representação. Através de um enquadramento teórico sobre o desenho geométrico e técnico, pretende-se que os estudantes conheçam e utilizem os materiais e instrumentos, adquiram o vocabulário específico do desenho geométrico e sejam capazes de identificar, construir e representar formas geométricas fundamentais. Pretende ainda dotá-los de um conhecimento profundo sobre a noção de projeção, aplicando-o e reconhecendo a função e vocação dos diferentes tipos de sistemas para que adquiram a capacidade de representar formas no sistema de múltipla projeção e axonométrica, capacitando-os para a aplicação destas aprendizagens noutras unidades curriculares.

A unidade curricular de Infografia procurará explorar a criação de informação visual composta através da interligação de imagem e texto para fins editoriais ou para infografia online. Pretende-se o desenvolvimento de gráficos onde a componente tipográfica, com soluções de imagem, possibilite transmitir dados informativos, podendo ser mapas, diagramas, ou outro tipo de informação. Serão exploradas ainda as várias possibilidades gráficas da infografia, sempre com a preocupação em manter aspetos estruturais do design gráfico com soluções de imagem próximas da ilustração.

Com esta unidade curricular pretende-se dotar os alunos de noções teóricas pertinentes à compreensão das possíveis relações entre arte e tecnologia no contexto da cultura digital e da sua operacionalização e difusão em rede. Desde as noções de interface, interatividade e reatividade, será problematizada a integração tecnológica na arte contemporânea e evidenciadas as suas práticas marcadamente interdisciplinares. Assim, a compreensão dos diversos meios tecnológicos de computação gráfica e multimédia, da sua dimensão virtual e de simulacro e as suas relações com as noções de rede e de ciberespaço, bem como de metamorfose, fluxo e processo, permitirão um entendimento abrangente da dimensão multimediática da cultura digital contemporânea.

Pretende-se com esta unidade curricular mobilizar conhecimentos que foram aprendidos ao longo da escolaridade quer oralmente quer por escrito e adquirir vocabulário específico na área das artes em geral. Ao nível da oralidade, pretende-se que o aluno descodifique textos de vários tipos e adeque o discurso à finalidade e à situação de comunicação, exprimindo-se de forma simples e coerente. A nível do texto escrito, deve ser capaz de captar o sentido dos textos e produzir textos de várias tipologias.

A unidade curricular opcional de Oficina de Pintura I tem por objetivo proporcionar a aquisição de conhecimentos que assegurem o contacto e a exploração de diversas técnicas oficinais no âmbito da pintura e incutir a prática de uma constante observação e análise que permita sustentar os projetos pessoais e dar-lhes um enquadramento no contexto da prática artística contemporânea.

A Unidade Curricular Teoria da Cor tem por objetivo fornecer conteúdos que contribuam para uma ampliação de conhecimentos que venham permitir uma maior utilização e compreensão da cor. Utilizando-se como base alguns dos processos de estudo da cor - fisiológicos, psicológicos e físicos ou até mesmo filosóficos -, é possível abordar e demonstrar como se geram as cores, como se misturam, como se influenciam entre si e nos influenciam.

A unidade curricular tem como finalidade desenvolver uma perspetiva abrangente das questões centrais da Sociologia, com destaque para as que podem ser aplicadas aos campos da Cultura e da Arte. Partindo de uma abordagem sociológica eminentemente crítica, procura-se discutir a forma como a reflexão e a investigação na Sociologia podem contribuir para o conhecimento e a compreensão sobre as diferentes dimensões e realidades culturais e sobre os processos de produção, difusão e receção das manifestações artísticas.

A unidade curricular tem por objetivo fornecer aos estudantes conhecimentos, parâmetros de análise e instrumentos críticos para refletir sobre as condições que, mais significativamente, interferiram na génese do pensamento moderno e contemporâneo, tendo em conta os principais temas e questões dos fenómenos culturais do nosso tempo. Por cultura contemporânea entende-se aqui um percurso que toma como ponto de partida a modernidade e se inscreve na atual reflexão e debate crítico da mesma, recorrendo para isso à transversalidade e interdisciplinaridade dos cultural studies e a uma pluralidade de aproximações, métodos, perspetivas e enquadramentos teóricos capazes de problematizar as dinâmicas políticas, sociais, económicas e culturais da contemporaneidade. Pretendendo-se flexível no seu desenvolvimento, o programa desenvolve-se por temas abrangentes e articulados, não rigorosamente sequenciais e com alinhamentos ajustáveis à dinâmica das aulas e outras situações contextuais, colocando sempre o enfoque na realidade portuguesa contemporânea. Os conteúdos estão organizados no sentido de traçar um panorama histórico da animação, desde as suas origens até à atualidade, identificando os principais polos da produção cinematográfica de animação e os respetivos autores. O visionamento de filmes permite distinguir com clareza os contributos mais relevantes de autores e de centros de produção, bem como identificar os diferentes processos técnicos e as suas contrapartidas conceptuais e expressivas na comunicação cinematográfica.

Numa fase introdutória em torno de diferentes obras e conceções de arte podemos melhor conhecer as condições de emergência e desenvolvimento do campo interdisciplinar da Estética. Numa segunda fase, o estudo e aprofundamento dos conceitos de belo a partir de Kant e de trágico a partir de Nietzsche, constituem o núcleo reflexivo por onde se desdobram outros conceitos como o atual, banal, individual ou virtual e autores como W. Benjamin, A. Warhol, J. Beuys ou M. Perniola.

Esta unidade curricular apresenta-se como uma oportunidade para refletir melhor sobre as múltiplas articulações entre teorias e práticas artísticas contemporâneas. As teorias da vanguarda segundo P. Burger e os modelos de autor segundo M. Foucault ajudam-nos a reconhecer pontos de rutura e linhas de continuidade nas relações entre produção e receção de objetos artísticos. Uma crítica à crítica de arte, com H. Foster, e a integração da arte e do conhecimento científico, com L. Moura, permitem a operacionalização de alguns dos principais modelos discursivos.

Através de um enquadramento teórico sobre os assuntos e problemas deste campo de estudo, pretende-se que os estudantes dominem o seu vocabulário específico e adquiram conhecimentos profundos sobre os principais conceitos da obra impressa em gravura. Pretende-se ainda dotá-los de competências para conhecer e compreender as várias técnicas de produção de matrizes calcográficas e consequente linguagem plástica e estética específica, promovendo o aprender/fazendo e adquiram as competências sobre os procedimentos e os métodos para a elaboração de matrizes calcográficas e sua impressão.

Os conteúdos programáticos desta unidade curricular cobrem uma grande extensão cronológica da história da antiguidade que inclui a arte das culturas mesopotâmicas, a arte egípcia e a arte das civilizações clássicas. Numa perspetiva de longa duração serão abordadas as continuidades formais, que dominam sobretudo a arte egípcia, e o valor civilizacional mais amplo das definições estéticas greco-romanas. Todas as questões referentes à arquitetura são aprofundadas com o apoio das abundantes notícias que sobre artistas e obras de arte os autores da antiguidade nos legaram.

Os diferentes apartados que se inserem no âmbito da periodização da história da arte moderna ocupar-se-ão do estudo da formação, expansão e derrogação de um novo sistema figurativo, através do Renascimento, Maneirismo, Barroco e Rococó. Sendo a articulação da arte italiana com a cultura europeia um dos problemas mais fecundos da história da arte moderna, será dado um especial enfoque ao confronto das diferentes alternativas visuais dos séculos XV-XVII. Dar-se-á também relevância ao quadro das realizações estéticas geradas pela ação dos mecenas e ao panorama da evolução do estatuto da arte e do artista na época moderna.

Esta unidade curricular centra-se nas relações entre o Desenho e outras disciplinas artísticas, contextualizando historicamente as suas principais conceções como processo criativo e implicações no pensamento e ação dos artistas. Os conteúdos programáticos têm como enfoque principal o reconhecimento da génese do Desenho e dos principais momentos de rutura que contribuíram para o seu desenvolvimento como prática autónoma e interdisciplinar.

O programa da unidade curricular de Temas e Conceitos da História do Design tem como objetivo principal promover a reflexão em torno do fenómeno do design no período histórico a que corresponde a modernidade artística até à atualidade. Para o cumprimento dos propósitos gerais declarados na formulação dos objetivos, os conteúdos programáticos procuram atender às várias manifestações de design e à sua contextualização social, cultural, económica, técnica e estética tendo em conta a discussão em redor das problemáticas que na atualidade rodeiam a sua prática e se perspetivam para o futuro.

Esta unidade curricular visa proporcionar um conhecimento sistematizado, profundo e articulado dos diferentes sistemas de representação projetiva, com particular incidência no sistema de projeção cónica, visando a representação descritiva de formas planas e tridimensionais e de relações espaciais complexas. Pretende-se que, através do estudo dos vários métodos da perspetiva cónica e sua aplicação prática na resolução de exercícios, os estudantes adquiram competências que os capacitem para a aplicação destas aprendizagens noutras unidades curriculares.

Pretende-se com esta unidade curricular dotar os alunos de competências que lhes permitam compreender as ideias principais de textos relativos a temáticas sobre arte, compreender as ideias principais de diálogos, intervenções orais ou documentários sobre assuntos da sua área de formação e expor em linguagem fluente, oralmente ou por escrito, as razões e justificações que sustentem uma opinião ou um projeto.

A unidade curricular de Composição pretende levar o aluno ao encontro dos problemas concetuais, precetivos, poéticos e plásticos envolvidos no ato de compor, isto é, na organização /estruturação significativa de uma imagem-objeto de arte. Pretende-se que o aluno compreenda os mecanismos psicofisiológicos e os dados contextuais e gramaticais presentes quer na elaboração quer na leitura e interpretação de uma obra de arte, conhecendo o seu modo de funcionamento enquanto todo dotado de uma estrutura dinâmica, implícita ou explícita, procurada ou espontânea. Enriquecido com dados concetuais, históricos e formais, o aluno é instigado a aplicar os seus conhecimentos, seja no domínio das suas próprias realizações, seja na análise de diferentes épocas e autores.

A unidade curricular de Oficina de Pintura II pretendendo dotar os alunos de competências mais aprofundadas relativamente aos conhecimentos adquiridos, propõe conteúdos programáticos que visam a exploração de ideias e conceitos ancorados nos géneros clássicos da expressão pictórica através de uma metodologia de trabalho projetual, permitindo a utilização de vários meios técnicos e a aplicação de distintos processos pictóricos, numa perspetiva experimental. A unidade curricular de Composição pretende levar o aluno ao encontro dos problemas concetuais, precetivos, poéticos e plásticos envolvidos no ato de compor, isto é, na organização /estruturação significativa de uma imagem-objeto de arte. Pretende-se que o aluno compreenda os mecanismos psicofisiológicos e os dados contextuais e gramaticais presentes quer na elaboração quer na leitura e interpretação de uma obra de arte, conhecendo o seu modo de funcionamento enquanto todo dotado de uma estrutura dinâmica, implícita ou explícita, procurada ou espontânea. Enriquecido com dados concetuais, históricos e formais, o aluno é instigado a aplicar os seus conhecimentos, seja no domínio das suas próprias realizações, seja na análise de diferentes épocas e autores.

A unidade curricular visa dar continuidade às questões introduzidas em Cultura Contemporânea I, aprofundando conhecimentos e testando algumas das noções-chave estudadas. Para isso, procurar-se-ão perspetivar as circunstâncias sociais e históricas que conduziram à problematização da noção de modernidade (como, posteriormente, à falência da noção de pós-modernidade) e à emergência de uma modernidade crítica. A reflexão acerca destas questões será particularmente atenta ao modo como a técnica, os media, as práticas artísticas, os enquadramentos institucionais e as novas representações do corpo (individual, social, político) e das identidades de género participam nalgumas das principais mutações que ocorrem na passagem da modernidade para a contemporaneidade.

Começamos por uma contextualização do estado atual do campo interdisciplinar da Estética através de uma reflexão sobre "o mundo da arte" segundo A. Danto. Em seguida caracterizamos os principais operadores estéticos e destacamos papel da crítica de arte no desenvolvimento das relações entre conceções teóricas e práticas artísticas. O estudo e aprofundamento dos conceitos de sublime a partir de I. Kant e de kitsch a partir de U. Eco constituem o núcleo reflexivo por onde se desdobram outros conceitos como a natureza, paisagem, máquina ou rizoma e autores como F. Lyotard, J. Koons, B. Newman ou G. Deleuze.

Nesta unidade curricular começamos pela apresentação das bases sensoriais da perceção através de imagens e textos, e por propor exercícios onde se articulam conceitos de perceção, realidade e representação para a composição de imagens. Em seguida relacionamos perceção, imaginação e criatividade para um melhor conhecimento das teorias gestaltistas de R. Arnheim, fenomenológicas de M. Ponty e sistémicas de H. Gardner. Por último refletimos sobre a perceção de espaços virtuais e a crise das imagens a partir de P. Levy.

Uma vez que a unidade curricular visa aprofundar conhecimentos acerca das teorias da imagem, uma panorâmica através das principais teorias que foram produzidas, bem como a abordagem de questões ligadas à perceção, aos dispositivos, cruzando abordagens históricas, semióticas e estéticas, permitirá consolidar o conhecimento dos alunos nesse campo.

Esta unidade curricular visa aprofundar conhecimentos acerca das teorias do cinema. Nessa medida, uma panorâmica através das principais proposições teóricas que, nesse campo, foram sendo produzidas, permitirá uma visão abrangente das questões em torno das quais se foi polarizando a produção cinematográfica, desde a sua origem até à contemporaneidade.

O estudo das principais teorias da comunicação deverá permitir aos estudantes uma compreensão contextual, crítica e fundamentada dos media no âmbito das sociedades da informação contemporâneas. Por outro lado, questões como o estudo das audiências e a influência determinante da técnica no quadro dos media deverão capacitar os estudantes para uma melhor compreensão do papel da produção mediática na criação do espaço público contemporâneo.

 

Plano de estudos da Licenciatura em Artes/ BD Ilustração - PDF

* Unidade curricular optativa.
Das UC disponíveis na área científica de História da Arte, o estudante deve realizar 9 ECTS.
Das UC disponíveis nas áreas científicas optativas - Animação, Design Multimédia, Geometria, Linguas Estrangeiras, Pintura, Sociologia, Teorias da Arte e da Imagem - o estudante deve obter 18 ECTS.


Condições de ingresso

Uma das seguintes provas:

Desenho (03) 
História da Cultura e das Artes (12) 
Geometria Descritiva (10)